Distúrbio Específico de Linguagem (DEL) merece atenção de pais e profissionais que atuam na primeira infância

Publicado em 17/04/2013

Problema pode provocar dificuldades no desenvolvimento da fala e leitura, além de comprometer o aprendizado escolar

Pouco conhecido pelos profissionais da saúde e da educação, o Distúrbio Específico de Linguagem (DEL) é um quadro de alta prevalência na primeira infância, causando dificuldades no desenvolvimento linguístico que podem trazer consequências persistentes por toda a vida. De acordo com a Dra. Noemi Takiuchi, professora adjunta do curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, o indivíduo com DEL tem todas as condições para desenvolver a linguagem e, mesmo assim, não evolui, nesse aspecto, no mesmo padrão em que se desenvolve nas outras áreas. 

“Para diagnosticar o distúrbio é utilizado um critério de exclusão de outros quadros, como deficiência auditiva e intelectual e autismo. A criança com DEL tem um desempenho em comunicação abaixo do esperado para sua idade. Ela brinca e interage, mas a linguagem não acompanha essa evolução”, diz a professora. A origem desse distúrbio é genética, mas ainda não foi possível associar um gene específico determinante do DEL, além disso, aspectos ambientais podem potencializar as dificuldades. 

É comum que os profissionais não encaminhem crianças com dificuldades no desenvolvimento de linguagem, na ausência de outros comprometimentos, considerando que se trata de uma variação normal, um atraso sem maiores consequências. 

Segundo a especialista, é possível que haja variação no desenvolvimento da linguagem das crianças, mas, em geral, as primeiras palavras já são obervadas a partir de um ano de idade. “Os pais devem ficar atentos se a criança não se comunica predominantemente por palavras ou demora a organizá-las em frases após os dois anos de idade. Se o atraso na aprendizagem da linguagem permanecer, é importante a avaliação de um fonoaudiólogo”, afirma.  

Com o auxílio da terapia fonoaudiológica, é possível melhorar o desempenho no processo de comunicação por meio do desenvolvimento de habilidades.  “É comum que algumas dificuldades permaneçam, pois é um distúrbio na organização da arquitetura cerebral para o processamento de informações linguísticas. Contudo, trabalhamos para que elas sejam minimizadas, melhorando as condições para a aprendizagem da linguagem e, assim, a criança pode atingir um aprendizado satisfatório”, explica a Dra. Noemi.

A professora reforça que caso o indivíduo não tenha um acompanhamento adequado, poderá apresentar problemas em toda a trajetória escolar, uma vez que a linguagem perpassa todas as disciplinas. O DEL também pode afetar o aprendizado da leitura e escrita, além de interferir na interação social. “Em alguns casos, pode-se identificar adolescentes com depressão, sofrendo bullying ou com distúrbios de comportamento”, destaca. 

 

Sobre a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo: Tradicional instituição de Medicina, criada em 1963, completará 50 anos em 2013. Atualmente, também oferece graduação em Enfermagem e Fonoaudiologia, além de diversos cursos de especialização, mestrado e doutorado, na Pós-Graduação. Em sua infraestrutura, apresenta importantes laboratórios como de Anatomia, Imunologia, Microbiologia, Farmacologia, Bioquímica, Técnica Cirúrgica, Fisiologia, Biologia Molecular, Cirurgia Experimental, Centro de Simuladores, além de ambulatórios, enfermarias e Centros Cirúrgicos do Hospital Central da Santa Casa de São Paulo, conveniado com a Faculdade. Visite o site: www.fcmsantacasasp.edu.br

 

Informações para a imprensa: 

Fran Press Assessoria de Imprensa / (11) 3064-4575 

André R. Furtado / andre@franpress.com.br  - Ramal 205